Marilyn Monroe personificou o glamour hollywoodiano. Beleza deslumbrante, foi a estrela do musical da Broadway “Gentlemen Prefer Blondes” ( Os Homens Preferem as Loiras). A músicasomente poderia ser “Diamonds Are a Girl’s Best Friend” (Diamantes são os melhores amigos de uma mulher). E a história comprova o fascínio pelos diamantes.
A Joia mais cara do mundo traz um diamante como estrela principal. O Hope Diamond, cujo valor estimado é US$ 250 milhões (R$ 438 milhões), foi encontrada na Índia há cerca de 370 anos, e vendida ao rei Luis 14º, da França, em 1668. Desde então, a joia passou a ser chamada de French Blue e permaneceu na coleção da realeza francesa por cem anos.
O Hope Diamond foi roubado e reapareceu em Londres, na Inglaterra, remodelado, e, em seguida, foi para Nova York para ser restaurado e limpo. Em 1958, a joia foi doada ao Museu de História Natural de Washington, nos Estados Unidos, onde permanece até hoje.
O Diamante Rosa Intenso possui 24,78 quilates, confeccionado sobre uma anel, que foi visto pela última vez no mercado há cerca de 60 anos. A peça foi vendida em 16 de novembro de
2010 por R$ 80,8 milhões (US$ 46,1 milhões) em Genebra, na Suíça, valor que bateu o recorde para uma joia vendida em leilão da Sotheby´s.
Já o Diamante Wittelsbach, arrematado na casa de leilões Christie’s em dezembro de 2008, custou R$ 42,1 milhões (US$ 24 milhões) ao comprador. O diamante cinza-azulado é um
raro exemplar de 35,5 quilates e remonta ao século 17. O rei Philip 4º da Espanha entregou a joia à filha, a Infanta Margarita Teresa, em 1664 como parte do seu dote.
E o futuro é promissor para o diamante. Uma onda de consumo de diamantes brutos irá impulsionar o mercado global da pedra preciosa, que passará a representar US$ 26,1 bilhões em 2020, frente aos US$ 15,6 bilhões em 2011, crescendo a uma taxa composta média anual de aproximadamente 6%, de acordo com o relatório 2012 Global Diamond Industry, divulgado recentemente pela Bain & Company, empresa global de consultoria de negócios.
O relatório anual, termômetro para a indústria de diamantes, conta com a colaboração com o Antwerp World Diamond Centre (AWDC) e conclui que a demanda global irá superar a oferta, sinalizando perspectivas de preços sólidos e uma perspectiva positiva para a indústria em geral. O relatório conclui que os Estados Unidos são, de longe, o maior mercado
mundial de diamantes. São US $ 27 bilhões em receitas, mais de três vezes o faturamento do segundo colocado China ou do terceiro, Índia, – e duas vezes as receitas do mercado de
telefonia celular norte-americano. As mulheres continuam a almejar diamantes. Cartier e Tiffany são top-of-mind para os consumidores de diamantes, na maioria dos países, exceto para a Índia, onde Tanishq e Nakshatra são as marcas mais conhecidas.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA